Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Pílula anticoncepcional: conheça os três efeitos colaterais mais perigosos

AVC, embolia pulmonar e trombose são os riscos para quem usa este tipo de medicamento

Efeitos colaterais não são novidade para nenhuma mulher que usa pílula anticoncepcional: inchaço e aumento de peso, dores de cabeça e, inclusive, diminuição da libido são reações comumente citadas por usuárias do medicamento. Porém, em alguns casos, a situação pode ser bem mais grave. Cerca de 10 a cada 10 mil consumidoras de contraceptivos orais combinados (pílulas com estrogênio e progesterona na composição) sofrem com trombose, embolia pulmonar ou AVC.

O número de discussões sobre os efeitos do uso de anticoncepcionais tem aumentado cada vez mais nos últimos anos: por um lado, há uma comprovação de que mulheres que tomam pílulas combinadas possuem mais chances de desenvolver tromboembolismo, mas existem outros fatores para levar em conta.

Primeiro, a chance é bem reduzida e, segundo, depende da propensão e do histórico de cada mulher. Resumindo: não há um consenso entre os médicos sobre quais são os reais perigos dos contraceptivos orais, apenas uma concordância de que os benefícios superam os riscos.

Países como Estados Unidos e França proibiram certas marcas e adotaram algumas medidas para que as mulheres conheçam as contraindicações da medicação que estão tomando.

Já no Brasil, a Anvisa atualizou no ano passado informações sobre os efeitos colaterais graves dos anticoncepcionais, após receber um número grande de reclamações a respeito dos contraceptivos compostos.

Segundo o documento disponibilizado pela agência, o risco de trombose associada às medicações orais varia conforme o tipo de progestagênio da pílula e não do histórico de risco de cada mulher.

Entenda alguns dos riscos graves do uso de contraceptivos orais combinados:

Trombose
Ela é causada por um coágulo formado dentro de veias ou artérias, que bloqueia a passagem do sangue. Dependendo do lugar em que se forma o coágulo, ele pode causar o entupimento de vias importantes do corpo, como pulmão e cérebro.

O risco dos anticoncepcionais orais está relacionado à variação de hormônios, uma das principais causas da trombose. O controle das doses de hormônios presentes nas pílulas tem ajudado na redução da incidência de tromboses, mas o risco ainda existe.

Embolia pulmonar
A embolia pulmonar surge quando a trombose obstrui as artérias dos pulmões, normalmente por coágulos formados em veias profundas das pernas ou da pélvis e liberados no sangue.

A gravidade dessa condição está relacionada ao tamanho do êmbolo, pois os maiores podem interromper completamente a circulação pulmonar. Entre os fatores de risco, junto com os anticoncepcionais, estão imobilidade prolongada, cirurgias, varizes, obesidade e tabagismo.

AVC
O risco de acidente vascular cerebral, ou derrame, associado ao uso da pílula é cada vez menos frequente devido à redução do teor de estrogênio nos anticoncepcionais.

O risco atual é de dois casos em cada 10 mil mulheres. Ele acontece quando um coágulo de sangue chega a um vaso do cérebro, obstruindo a passagem de sangue.

Alguns fatores que aumentam o risco de AVC são o cigarro, o acúmulo de gordura localizada e consumo de frituras. O uso do contraceptivo aliado ao fumo, por exemplo, aumenta as chances.

Nenhum comentário:

Postar um comentário