Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Reposição hormonal não funciona em mulheres que não sentem ondas de calor

A descoberta poderá ajudar na prescrição de tratamentos individualizados
 
Ao entrar na menopausa, muitas mulheres começam a sofrer com sintomas como insônia, fadiga e alteração do humor. Um dos problemas mais conhecidos nesse período são as ondas de calor.
 
 
Pesquisadores da Finlândia, porém, descobriram que o temido incômodo pode ser explorado de uma forma positiva. Segundo eles, a ocorrência dos fogachos funciona como indicativo da necessidade da também famosa reposição hormonal. A descoberta, publicada no jornal North American Menopause Society, pode auxiliar na escolha de terapias mais individualizadas.

Tomi Mikkola, principal autor do estudo e professor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Helsinki (Finlândia), explica que as ondas de calor — causadas por uma desregulação no hipotálamo em decorrência da redução de níveis de estrogênio — foram sempre o sinal mais conhecido do início da menopausa.
 
“Há uma crença de que os outros sintomas são fenômenos secundários. Entretanto, as mulheres mostram diferenças na capacidade de tolerar as ondas de calor. Algumas são perturbadas por mudanças de temperatura que são facilmente aceitável por outras.”

Para entender a fundo o sintoma, os pesquisadores realizaram um experimento com 150 mulheres, divididas em dois grupos: 72 relataram ter sete ou mais ondas moderadas de calor por dia, 78 apresentaram três ou menos ondas leves ou nenhuma.
 
Os pesquisadores trataram metade das mulheres de cada grupo com hormônios e a outra com placebo (veja infográfico), e detectaram os melhores resultados naquelas que mais sofriam com os fogachos e foram submetidas à reposição hormonal.
 
“Nossa combinação de hormônios aliviou as ondas de calor e melhorou a qualidade de vida. Porém, o uso de terapia hormonal não conferiu uma vantagem para as mulheres sem as ondas mais fortes”, destaca Mikkola.
 
Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário